Televisão

‘Tá no Ar’: ainda mais crítico e engajado

Quando foi criado em 2014, o ‘Tá no Ar: a TV na TV’ queria mudar a forma de apresentar o humor. Longe dos clichês apresentados pela Globo, Maurício Farias, Marcelo Adnet e Marcius Melhem tinham como objetivo inovar no conceito do formato. A ideia era brincar com a programação da tevê em esquetes rápidas e longe dos clichês de outros humorísticos. Depois de quatro temporadas, o programa voltou com ainda mais identidade e sem medo de tocar em certas feridas. A tônica continua a mesma: fazer piadas de quase tudo, brincar com a grade da emissora e de suas concorrentes tendo como base um humor inteligente e até político. Uma intervenção necessária na grade da Globo — com audiência média de 14 pontos no Ibope —, o programa é uma injeção de ironia, sarcasmo e engajamento. Itens que faltavam na programação da tevê aberta.

Na nova temporada, o programa investiu em temas sensíveis e amplamente discutidos pela sociedade. A representatividade das minorias, o machismo, a homofobia, a objetificação da mulher, a criminalização do aborto e as eleições foram alguns dos assuntos já abordados pela trupe. Apesar de levantar bandeiras, tudo é feito com muita naturalidade. Por cavar mais fundo nas questões abordadas, alguns esquetes perderam o efeito cômico — não que isso seja um problema. Por outro lado, trouxeram uma reflexão quase inesperada, especialmente se levar em consideração o contexto, horário e tipo de programa. Ainda que tenha algumas mudanças, o ‘Tá no Ar’ não perdeu ritmo. A edição afiada, essencialmente feita por Farias e Melhem, mescla cenas muito rápidas com outras mais reflexivas ou silenciosas.

Alguns quadros que fizeram sucesso em outras temporadas voltaram esse ano. Jorge Beviláqua, interpretado por Welder Rodrigues, o apresentador que tem ojeriza a crianças continua com o seu bordão, “foca em mim”. Mas, para fugir dos clichês, o personagem voltou em outros contextos. Agora, ele é garoto-propaganda de marcas e produtos nada convencionais. Os clipes musicais ao final de cada episódio também seguem firmes e fortes, assim como a opinião de falso telespectadores enquanto sobem os créditos. A maior novidade ficou por conta da entrada de Eduardo Sterblitch no elenco. Sem mudança no time original desde sua estreia, o ‘Tá no Ar’ engrandeceu com a entrada do humorista, famoso por sua participação controversa no ‘Pânico’. Eduardo já tinha feito outras participações na Globo — no ‘Amor & Sexo’ e no ‘PopStar’ —, mas voltou às origens com um humor rápido, de cara limpa e apostando nos trejeitos e em sua boa atuação. O ator encaixou bem com o resto do elenco ainda tem nomes como Renata Gaspar, Luana Martau, Georgiana Góes e Verônica Debom.

Imagem: Divulgação – Marcelo Adnet (à esquerda) e Marcius Melhem em uma das esquetes da temporada 2018 do programa ‘Tá no Ar’.

Mais em: Correio Popular

Mais Acessadas

Início