Justiça

HOPI HARI: Plano de recuperação volta a ser discutido em abril

O juiz da 1ª Vara de Vinhedo, Fábio Marcelo Holanda, marcou para 5 de abril a retomada da assembleia na qual será votado o plano de recuperação do parque de diversões Hopi Hari. As discussões foram marcadas inicialmente para agosto de 2017, mas houve três adiamentos por falta de quórum de credores, a pedido do parque, após ele ter recebido solicitação de documentos e por causa do impasse entre acionistas. O despacho foi assinado pelo magistrado segunda-feira.

Segundo o advogado da recuperação judicial do Hopi Hari, Sergio Emerenciano, o parque tem dívida de aproximadamente R$ 350 milhões com 1,7 mil credores. “Essa convocação vale apenas para os 350 credores que marcaram presença na última assembleia, em setembro. Como os demais não foram, entende-se que eles concordaram com o plano da empresa”, disse.

Os credores envolvidos no processo em tramitação são trabalhadores, fornecedores, fundos de investimentos, BNDS, fundos de pensão do Rio e de Fortaleza entre outros. A previsão legal para votação é de até 180 dias. A expectativa é iniciar o pagamento dos trabalhadores até final deste ano, Já dos fornecedores em 2019.

O pedido de recuperação judicial foi feito pelo Hopi Hari em agosto de 2016. Segundo Emerenciano a retomada é natural e a proposta da empresa visa aplicar deságio, carência para pagamento e parcelamento.

O parque voltou a funcionar em agosto de 2017, após quase três meses fechado em virtude de crise financeira. De acordo com o advogado, houve uma mudança na administração do parque e o próprio local passou por uma remodelação. “Com essa nova administração, o parque ficou todo revitalizado. Hoje, 90% dos brinquedos estão em funcionamento e todos com seguro. Sem contar que desde sua abertura, o parque recebeu 120 mil pessoas”, frisou.

Imagem: Divulgação

Mais em: Correio Popular

Mais Acessadas

Início